Quase

Na manhã de sol e céu azul no feriadão da Av. Paulista, 25 graus à sombra, por volta das 10 horas do horário de verão:

– A mendiga estilosa de turbante na cabeça e pose altiva senta-se sobre os sacos de lixo amontoados. Com toda propriedade, descansa sobre o que é seu.

– O jovem casal de lésbicas caiu da cama cedo e beija-se apaixonadamente no meio da calçada.

– A senhora de certa idade, cabelo arrumado, maquiada, tênis importados, calça de linho, blusa de seda, joias e blazer escuro caminha sôfrega à procura das raras sombras dessse lado da avenida. Chegará em casa com insolação.

– O senhorzinho de boné, calça, tênis, camisa de manga comprida abotoada, caminha como quem faz uma intolerável obrigação. Tenho vontade de avisar que se sua obrigação de tomar sol for por conta da avitaminose D, hoje aparentemente tão comum, seria bom arregaçar as mangas e as bainhas da calça: o sol só trabalha em contato direto com a pele.

– O inusitado casal de jovens: ele vestido de mulher; ela, de homem. Deve ser a moda Laerte Coutinho chegando às ruas.

– Outro mendigo, também profusamente vestido na manhã de sol (mas esse eu entendo que sua roupa é a mesma com a qual dormiu) passa alto, ereto, e tem um cabelo grisalho tão vistoso, volumoso e bem penteado que parece ter saído de uma sessão de escova. Bonitão. Sabe que é bonitão. É mendigo, mas é bonitão. Durmam-se com essa, burguesinhos.

– Mas quem faz mesmo sucesso é a mulher de maiô azul e sandálias japonesas que passa de bicicleta. Alguém disse pra ela que a Paulista é a praia de São Paulo e ela acreditou.

– Três mendigos à minha frente acompanham sua passagem na bicicleta, as mulheres riem, mas o companheiro explica: Sabe que aqui? Aqui tá no nível do mar, viu?

– Já no caminho de casa (Felipe, Zega e Gali: não leiam esta parte, meus amores) quase sou atropelada. No meio da calçada. Pelo mauricinho paramentadão em sua bike mais paramentada ainda. Tudo bem que eu estava no meu usual mode distraída, mas ele é que estava sobre rodas, eu não.

Anúncios
Esse post foi publicado em Cotidiano. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Quase

  1. Gali disse:

    é, imagino que o mode distraída estava on com tanta diversidade na Paulicéia. Te digo uma coisa: é mais perigoso caminhar na Paulista do que escalar!
    beijos, mamis, e por favor, mode off!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s