Arquivo do mês: outubro 2013

Enquanto isso, no Lago Azul

“Ui, ui, ui Uiara! Venha aqui, maravilhosa! Aceite esse colar!” O barulho dos gritos, cantorias e chamados à beira do Lago Azul é grande. Lã está debruçado sobre as águas, com um lindo colar de sementes brancas na mão. – … Continuar lendo

Publicado em Trechos de livros | Deixe um comentário

Sobre biografias e ganhos

A pequena biografia que escrevi sobre “A Jovem Pagu”, para a Editora Nova Alexandria, em 2007, me proporcionou três momentos bem diferentes. O primeiro, de prazer ao escrever, inclusive com o apoio de seu filho Kiko, Geraldo Galvão Ferraz, que … Continuar lendo

Publicado em Cotidiano | 3 Comentários

O imenso exército da idade

Sempre me emociono ao ler este trecho: “Guenevere exagerou ao se vestir para a ocasião. Maquiou-se, embora não precisasse de maquiagem, e maquiou-se mal. Estava com quarenta e dois anos. Quando Lancelot a viu esperando à mesa, com Arthur a … Continuar lendo

Publicado em Trechos de livros | 2 Comentários

Para sobreviver

Há dias que é preciso ter fígado de ferro, estômago de estalactites e estalagmites, e o coração, ah!, esse só nos salva se for de um metal precioso. Pobre de mim que não tenho nenhum deles.

Publicado em Cotidiano | Deixe um comentário

The city with a thousand teeth

O número 5 da Machado de Assis Magazine, lançada hoje em Frankfurt, traz a tradução de trechos do meu “Pauliceia de mil dentes”. Tomara que me traga sorte. Quem quiser dar uma olhada, o link para a revista é: http://www.machadodeassismagazine.bn.br

Publicado em Cotidiano | Deixe um comentário

A Igreja da Permissão Divina

Trecho do meu romance “Pauliceia de mil dentes”, do capítulo que trata do Pastor Jonerval e sua igreja. “Às vezes ela me diz que me empolgo muito e não devo falar coisas difíceis, só coisas fáceis de entender. Mas eu … Continuar lendo

Publicado em Trechos de livros | Deixe um comentário

Sexta de crônicas

UMA PRAGA DA PRIMAVERA É o fim da picada! dirão os desavisados. Só mesmo paulista pra reclamar do canto de sabiá. Mas eu queria vê-los acordando às três horas da madrugada, com o canto agudo que chega a durar duas … Continuar lendo

Publicado em Crônicas | Deixe um comentário