Mia Couto (II)

Mia Couto, em uma entrevista a Luiz Henrique Pellanda

“A minha escrita muda-me a mim. De vez em quando, há pessoas que me dizem que a sua vida mudou depois de lerem um certo livro meu. Não creio que seja verdade. O que a escrita pode suscitar é apenas o desejo da mudança, a crença na possibilidade de sermos outros e de vivermos outras vidas. E isso já é imensamente subversivo, porque impera hoje a ideia de que precisamos nos conformar como meros consumidores anónimos, subservientes ao mercado e cuja intervenção de cidadania está reduzida a meros votantes num sistema político de que todos descremos.”

Anúncios
Esse post foi publicado em Cotidiano. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s